domingo, 29 de novembro de 2009

"Donde se toma ciência que homem é vírgula e mulher é ponto final."

Reproduzo aqui um texto que adoro, de um escritor que amo: Xico Sá! Muso maravilhoso!

"Sim, homem é frouxo, só usa vírgula, no máximo um ponto e vírgula; jamais um ponto final.

Sim, o amor acaba, como sentenciou a mais bela das crônicas de Paulo Mendes Campos: “Numa esquina, por exemplo, num domingo de lua nova, depois de teatro e silêncio; acaba em cafés engordurados, diferentes dos parques de ouro onde começou a pulsar...”

Acaba, mas só as mulheres têm a coragem de pingar o ponto da caneta-tinteiro do amor. E pronto. Às vezes com três exclamações, como nas manchetes sangrentas de antigamente.

Sem reticências...

Mesmo, em algumas ocasiões, contra a vontade. Sábias, sabem que não faz sentido prorrogação, os pênaltis, deixar o destino decidir na morte súbita.

O homem até cria motivos a mais para que a mulher diga basta, chega, é o fim!!!

O macho pode até sair para comprar cigarro na esquina e nunca mais voltar. E sair por aí dando baforadas aflitas no king-size do abandono, no Continental sem filtro da covardia e do desamor.

Mulher se acaba, mas diz na lata, sem metáforas.

Melhor mesmo para os dois lados, é que haja o maior barraco. Um quebra-quebra miserável, celular contra a parede, controle remoto no teto, óculos na maré, acusações mútuas, o diabo-a-quatro.

O amor, se é amor, não se acaba de forma civilizada. Nem no Crato...nem na Suécia.

Se ama de verdade, nem o mais frio dos esquimós consegue escrever o “the end” sem uma quebradeira monstruosa. Fim de amor sem baixarias é o atestado, com reconhecimento de firma e carimbo do cartório, de que o amor ali não mais estava.

O mais frio, o mais “cool” dos ingleses estrebucha e fura o disco dos Smiths, I Am Human, sim, demasiadamente humano esse barraco sem fim.

O que não pode é sair por aí assobiando, camisa aberta, relax, chutando as tampinhas da indiferença para dentro dos bueiros das calçadas e do tempo.

O fim do amor exige uma viuvez, um luto, não pode simplesmente pular o muro do reino da Carençolândia para exilar-se, com mala e cuia, com a primeira criatura ou com o primeiro traste que aparece pela frente. E vamos ficando por aqui, pois já derrapei na curva da auto-ajuda como uma Kombi velha na Serra do Mar... e já já descambarei, eu me conheço, para o mundo picareta de Paulo Coelho. Vade retro."

Xico Sá, 46, é autor de "Modos de macho & modinhas de fêmea" entre outros livros. Nasceu no Crato, Cariri, cresceu no Recife e hoje ronda a noite paulistana em busca de fábulas e crônicas.

7 comentários:

Clarissa Marinho disse...

Menina,Xico tb é meu muso!hehehe Conhecia já esse texto.Muito bom!Cada dia mais acho que faltam no mundo mais homens sensíveis feito Xico.
bjo!

.ailton. disse...

Xico não é meu muso. Mas é um puta escritor mesmo.

Seguinte, para mudar o endereço do blog, vá em "configurações" e depois em "publicação". aí é só colocar um novo endereço. nao tem mistério, é autoexplicativo.

se nao conseguir, posso explicar mais detalhadamente.

Nó! disse...

gt, q triste q nunca tinha nem ouvido falar... e q feliz q agora sei q existe, vou procurar algo pra ler

=)

Marina Magalhães disse...

Hahahahahaha!! Parece que é bem assim mesmo, adorei o texto dele e concordo que o drama faz parte. Seja bem-vinda ao meu blog, seus versos são inspiradores. Bjs.

bocadepoema disse...

ele é tb o garoto do noticias mtv.....polifônico.

Márcia Leite. disse...

Isso, Paulinha! Ele é também um dos comentaristas do cartão verde, a mesa-redonda sobre futebol da tv cultura! =)

Anônimo disse...

galera me ajudem sobre esse texto ?

2) Ao tratar desse assunto, o cronista faz uma referência figurada a sinais de pontuação.
Quais são os sinais referidos?
A) Quais são as funções desses sinais na escrita?
B) No texto, que sentido é atribuído às referências feitas a esses sinais de pontuação ?